ANABOLIZANTES E O IMPACTO NA SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DO HOMEM

ANABOLIZANTES E O IMPACTO NA SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DO HOMEM

Nos últimos anos, é evidente o aumento do uso de subst√Ęncias esteroides anabolizantes (EA) por parte de pessoas "comuns". H√° cerca de 10 a 15 anos, o uso de EA ficava muito restrito a atletas em competi√ß√Ķes que demandavam maior desempenho, ou indivíduos que frequentavam gin√°sios específicos. Hoje, com o acesso irrestrito à informa√ß√£o e às possibilidades de obten√ß√£o de anabolizantes, o número de pessoas que os utilizam cresceu imensamente. E o mais interessante n√£o é apenas o fato de muitas pessoas utilizarem essas subst√Ęncias, mas, sim, o fato de ter havido uma grande mudan√ßa de perfil: muitas das pessoas que fazem uso de EA s√£o frequentadores de academias convencionais, muitas vezes, em busca de incrementos nos resultados estéticos e funcionais de sua rotina de exercícios físicos. Trata-se de uma popula√ß√£o diferente dos fisiculturistas profissionais da década passada: s√£o pessoas comuns, esportistas amadores e profissionais de outras √°reas. O dia a dia de consultório revela, ainda, outra característica muito interessante das pessoas que procuram anabolizantes: o crescente interesse pelo conhecimento sobre a fisiologia e, até mesmo, quanto aos mecanismos de a√ß√£o dos EA. Comumente, o conhecimento que os pacientes t√™m a respeito do tema chega até a ser maior do que o conhecimento que muitos médicos possuem sobre o assunto. A verdade é que os profissionais de saúde raramente recebem treinamento adequado ou t√™m interesse suficiente relativamente a esse assunto, assim, deixando as pessoas que fazem uso dessas subst√Ęncias completamente desassistidas sob o ponto de vista médico.

O grande problema do uso de anabolizantes é a confus√£o que causam nos mecanismos de regula√ß√£o dos hormônios sexuais naturais. Quando a pessoa utiliza anabolizantes (o que sempre é feito em doses muito superiores às necessidades naturais), h√° uma percep√ß√£o de excessos de tais hormônios por parte do organismo. Isso inclusive acontece quando se utilizam baixas doses, porque a forma com que hormônios masculinos s√£o produzidos no corpo envolve muitas oscila√ß√Ķes finas (e essas oscila√ß√Ķes, simplesmente, n√£o acontecem quando os anabolizantes entram no organismo). Uma vez percebido esse "excesso" de hormônios no sistema, os mecanismos de produ√ß√£o natural de testosterona s√£o bloqueados (damos a isso o nome de "feedback negativo"), e, assim, passa a haver falta de hormônios naturais. O maior problema reprodutivo reside no fato de que, para existir produ√ß√£o adequada de espermatozoides, é necess√°rio que haja boa quantidade de testosterona natural (hormônios sintéticos n√£o s√£o capazes de realizar essa tarefa). Desta forma, mesmo em pouco tempo de uso de EA (menos de 3 meses), os hormônios naturais j√° se encontram suficientemente baixos e j√° podem propiciar problemas esperm√°ticos. Conforme as doses utilizadas e o tempo de uso, pode demorar bastante para que o sistema volte a funcionar corretamente. Em alguns casos, pode haver instala√ß√£o de problemas definitivos de fertilidade e dano permanente aos testículos (que frequentemente acabam por apresentar redu√ß√£o em seus volumes). Isso é a chamada fase de "rebote", muito frequente após o término do uso de EA, causada por níveis persistentemente baixos de hormônios naturais. Essa falta de hormônios durante o rebote pode, também, levar a sérios problemas de ere√ß√£o e de falta de libido, muitas vezes, induzindo a pessoa a realiza√ß√£o de novos ciclos de anabolizantes.

A orienta√ß√£o médica ser√° sempre no sentido da interrup√ß√£o do uso. Toda a informa√ß√£o técnica deve ser discutida ampla e irrestritamente. A fase que se segue após o término de ciclos de EA, ou de sua interrup√ß√£o pode ser bastante incômoda em raz√£o da queda persistente de hormônios naturais. O rebote, tipicamente, dura entre 6 e 12 meses, mas pode prolongar-se por até 2 anos ou mais. Quando a pessoa se encontra em rebote, é possível usar medica√ß√£o específica para auxiliar na retomada do funcionamento testicular, com isso, melhorando bastante a produ√ß√£o esperm√°tica e hormonal. Utilizam-se subst√Ęncias sintéticas que atuam diretamente sobre os testículos, induzindo a produ√ß√£o natural de hormônios e espermatozoides de maneira a reduzir o período de rebote. Essa estratégia pode ser utilizada com seguran√ßa, desde que sob estrita supervis√£o médica, com realiza√ß√£o dos exames pertinentes de sangue, s√™men e ultrassonografia. Dessa forma, homens que buscam melhorar as esferas sexual e reprodutiva abaladas por uso de anabolizantes podem ser beneficiados de modo extremamente seguro e eficaz.

Fonte: <HTTP://ONLINELIBRARY.WILEY.COM/DOI/10.1111/J.1464-410X.2011.10131.X/EPDF>

Dr. George Lins de Albuquerque

Médico Urologista