Anvisa alerta para riscos da automedicação

Segundo a agência, a prática pode causar reação grave, inclusive óbito

Anvisa alerta para riscos da automedicação

A automedica√ß√£o, especialmente nesse momento de pandemia, tem preocupado autoridades sanit√°rias em todo o mundo. "É preciso que as pessoas se conscientizem dos riscos reais dessa pr√°tica, que pode causar rea√ß√Ķes graves, inclusive óbitos", alertou a Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) em comunicado.

Ainda segundo a Ag√™ncia, essa avalia√ß√£o é feita a partir de critérios técnico-científicos, de acordo com o paciente e o conhecimento da doen√ßa: "todo medicamento apresenta riscos relacionados ao seu consumo, que deve ser baseado na rela√ß√£o benefício-risco. Ou seja, os benefícios para o paciente devem superar os riscos associados ao uso do produto".

Para se ter uma ideia da dimens√£o e da gravidade do problema, a Organiza√ß√£o Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 50% de todos os medicamentos s√£o prescritos, dispensados ou vendidos de forma inadequada. Além disso, metade de todos os pacientes n√£o faz uso dos medicamentos corretamente.

Notificação

Para identificar novos riscos e atualizar o perfil de seguran√ßa dos medicamentos, a Anvisa lembra que é imprescindível que profissionais de saúde e cidad√£os notifiquem as suspeitas de eventos adversos, mesmo sem ter certeza da associa√ß√£o com o medicamento.

Os eventos devem ser notificados pelo VigiMed. "A qualidade dos dados inseridos no sistema é fundamental para subsidiar a an√°lise pelas equipes especializadas. É importante identificar o produto e informar o fabricante e o número do lote", orienta a Anvisa.

Agência Brasil